Edições Anteriores
  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

22º DOMINGO DO TEMPO COMUM

3 de setembro de 2017

O que segue é um Roteiro de Celebração dominical da Palavra presidida por ministro ou ministra leigo/a, mas os elementos podem ser úteis também para preparar a celebração eucarística. As leituras indicadas são do Lecionário dominical. Os comentários das leituras são para ajudar a equipe que prepara, não deve ser usada no momento da celebração. Depois do evangelho há uma pequena meditação para ajudar a quem deve fazer a homilia. A oração de ação de graças dentro do roteiro é uma proposta recitada. No final deste roteiro há uma versão cantada: a melodia se em encontra no CD COMEP, ‘Ação de Graças no Dia do Senhor’. Há ainda no final deste roteiro o rito da aspersão que sempre pode ser usado aos domingos no lugar do ato penitencial.



1. Aprofundando os textos bíblicos: Jeremias 20,7-9; Salmo 63(62); Romanos 12,1-2; Mateus 16,21-27

Jesus começou a explicar a seus discípulos que devia ir a Jerusalém e que lá iria sofrer muito, sobretudo por parte dos dirigentes do povo. Os anciãos eram líderes leigos que, junto com os sumos sacerdotes e escribas, constituíam o Sinédrio. Pedro, assim como os demais discípulos, reconhece que Jesus é o Filho de Deus (16,16), mas acredita num messianismo poderoso e triunfalista, que não passe pelo sofrimento e pela morte. Jesus se revela como Servo Sofredor que entregará a própria vida (20,28; Is 53,5-12), consequência de sua missão a serviço dos excluídos. O terceiro dia tem sentido escatológico (Os 6,2), momento em que a salvação se realiza plenamente através da ressurreição de Jesus. Com o mesmo verbo no imperativo utilizado para repelir Satanás (4,10), Jesus propõe a fidelidade radical ao projeto de Deus e convida a andar atrás dele, no caminho do seguimento. Os discípulos autênticos carregam a cruz e assumem livremente os riscos extremos da missão, por causa do Reino de Deus e da sua justiça (5,10; 6,33). A escolha por Jesus possibilita encontrar a vida verdadeira, preservando sempre seu valor insuperável, como enfatizam as comparações com o ganhar e dar em troca. Jesus, o Filho do Homem que veio instaurar o reinado de Deus, retribuirá conforme o agir misericordioso e solidário (25,31-46). A leitura do profeta Jeremias sublinha que o amor ao Senhor e à sua palavra sustentam a missão em meio ao sofrimento, à hostilidade e à perseguição. Paulo, na leitura aos Romanos, impele a não viver conforme este mundo, mas a transformar-se pela renovação da mente para discernir qual é a vontade de Deus, isto é, o que é bom, agradável e perfeito.


2. A palavra na vida

A fé em Jesus implica uma conduta de vida de acordo com a fé de Jesus, em relação ao Pai e ao Reino, na comunhão e solidariedade com os irmãos. Que a palavra do Senhor nos impulsione a agir de forma profética, escolhendo sempre o caminho que leva à vida digna para todos.


3. A palavra na celebração

Celebrando a memória de Jesus, de sua entrega radical a serviço do Pai e do seu Reino, sejamos fortalecidos neste caminho e encontremos alegria plena em consagrar todas as nossas forças por um mundo mais humano e fraterno.