Edições Anteriores
  • Edição 264

  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

23º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A

10 de setembro de 2017

O que segue é um Roteiro de Celebração dominical da Palavra presidida por ministro ou ministra leigo/a, mas os elementos podem ser úteis também para preparar a celebração eucarística. As leituras indicadas são do Lecionário dominical. Os comentários das leituras são para ajudar a equipe que prepara, não deve ser usada no momento da celebração. Depois do evangelho há uma pequena meditação para ajudar a quem deve fazer a homilia. A oração de ação de graças dentro do roteiro é uma proposta recitada. No final deste roteiro há uma versão cantada: a melodia se em encontra no CD COMEP, ‘Ação de Graças no Dia do Senhor’. Há ainda no final deste roteiro o rito da aspersão que sempre pode ser usado aos domingos no lugar do ato penitencial.


Domingo da correção fraterna. Recebemos do Senhor o mandamento do diálogo de ajuda entre os irmãos e a certeza de sua presença na comunidade reunida.Celebramos a páscoa de Jesus Cristo que se manifesta em todas as pessoas e grupos que dialogam profundamente e procuram viver na transparência e na veracidade.

Tu és justo, Senhor, e justa a tua sentença. Trata o teu servo segundo a tua misericórdia. (Sl 119,137.124)

 

 

 

 

CHEGADA

1. Refrão meditativo escolher no livro de canto, ou:

Louvarei a Deus, seu nome bendizendo.

Louvarei a Deus, a vida nos conduz.

 

RITOS INICIAIS

2. Canto de abertura

És um Deus justo, ó Senhor, H 3, p. 125-6; Oi, louvai o Senhor nosso Deus, ODC, p. 279; Ao Senhor dai graças, ODC, p. 217.

 

Procissão, com a cruz e o lecionário

 

3. Sinal-da-cruz

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

4. Saudação 

A graça e a  paz do Senhor Jesus estejam com vocês.

Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

5. Acolhida, sentido da celebração e recordação da vida

O(a) animador(a), com breves palavras, acolhe as pessoas, sobretudo as visitantes,  introduz o sentido do domingo e convida a assembleia a lembrar fatos marcantes que são sinais da páscoa de Jesus na vida pessoal, na comunidade, no mundo...

Exemplo de como fazer:

É bom estamos aqui, neste dia de domingo, buscando reavivar o sentido das nossas vidas e das nossas lutas, na presença do Ressuscitado entre nós. Acolhemos com alegria as pessoas que estão nos visitando ou chegando em nossa comunidade (dizer nomes ou pedir que se apresentem...). Podemos trazer lembranças de pessoas e acontecimentos que estamos acompanhando ou que marcaram a semana que passou...

Deixar que as pessoas falem ou, se isso não for possível, deixar que equipe fale, ou até mesmo quem preside pode trazer algumas lembranças.

Terminando, quem preside, introduz o anto penitencial:

6. Ato penitencial

De coração contrito e humilde, invoquemos a compaixão do Cristo, e imploremos sobre nós o seu perdão:

Senhor que vieste, não para condenar, mas para salvar, tem piedade de nós.

Senhor tem piedade de nós.

Cristo, que acolhes quem confia em tua misericórdia, tem piedade de nós.

Cristo, tem piedade de nós.

Senhor, que muito perdoas a quem muito ama, tem piedade de nós.

Senhor tem piedade de nós.

Deus todo amoroso, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém.

Pode-se escolher outras formas de Ato penitencial, no livro de canto, ou no missal. Ou: No lugar do ato penitencial, pode-se fazer o rito da aspersão (Cf. abaixo)

7. Glória

8. Oração inicial

Ó Deus, pai e mãe de amor,

tu nos libertaste em Cristo

e nos deste o teu Santo Espírito.

Guarda na tua bondade teus filhos e filhas,

para que todos os que professam a fé em ti

sejam livres de todas as amarras

e permaneçam firmes no evangelho.

Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

.

 

 

LITURGIA DA PALAVRA

9. Primeira leitura - Ezequiel  33,7-9

Diante da ameaça de invasão do exército da Babilônia a Jerusalém, olhando os vigias colocados nos vários pontos estratégicos e nas muralhas, assim o profeta descreve a sua missão em relação à comunidade.

 

10. Salmo responsorial 95(94)    (H 3, p. 144-5)

Adoremos o Senhor nosso Deus, vamos a ele com toda a confiança, na certeza de que ele nos converte e nos prepara para a sua comunhão.

 

Não fecheis o coração,

ouvi, hoje, a voz de Deus.

 

Vinde, exultemos de alegria no Senhor,

aclamemos o Rochedo que nos salva!

Ao seu encontro caminhemos com louvores

e com cantos de alegria o celebremos!

 

Vinde, adoremos e prostemo-nos por terra

e ajoelhemos ante o Deus que nos criou!

Porque ele é nosso Deus, nosso pastor,

e nós somos o seu povo e seu rebanho.

 

- Não fecheis os corações como em Meriba,

como em Massa, no deserto, aquele dia,

em que, outrora, vossos pais me provocaram,

apesar de terem visto as minhas obras.

 

 

11. Segunda leitura - Romanos 13,8-10

Nas suas exortações finais à comunidade dos romanos, Paulo assim resume a prática da vida  cristã.

 

12. Aclamação ao evangelho - H 3, p. 216)

Aleluia, aleluia, aleluia!

O Senhor reconciliou o mundo em Cristo,

confiando-nos sua palavra,

a palavra da reconciliação,

a palavra que hoje, aqui, nos salva!

 

13. Proclamação do evangelho - Mateus 18,15-20

Mateus coloca na boca de Jesus cinco grandes discursos. Hoje começamos a ouvir o quarto discurso, intitulado “sermão sobre a comunidade”. Vejamos a boa notícia que o Senhor tem para nós!

O(a) leitor(a) se dirige à assembleia com esta saudação:

O Senhor esteja com vocês. Ele está no meio de nós.

Fazendo o sinal-da-cruz na fronte, na boca e no peito:

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo...

Glória a vós, Senhor.

Proclama o evangelho e no final da leitura conclui:

Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.

Beija o livro e o mostra para a assembleia, que se inclina, num gesto de adesão à Palavra.

14. Homilia - Dicas para preparar a homilia , cf. abaixo:

Sugestão de como fazer:

O modo e a prática de resolver os conflitos na comunidade primitiva, baseados no diálogo interpessoal e na oração comunitária, servem de pano de fundo para um olhar evangélico sobre as relações interpessoais e sobre a própria existência da comunidade. O poder das chaves, de ligar e desligar, dado a Pedro (Mt 16), agora é entregue a toda a comunidade, que se torna, não apenas mediação da reconciliação, mas o próprio sacramento da presença de Jesus.

Séculos de prática de uma teologia individualista talvez nos impeçam de acolher em plenitude esta palavra do Senhor, e compreender plenamente a comunidade como ícone autêntico de sua presença. O caminho da correção fraterna ou da oração comum de intercessão não recebe sua força apenas de uma comunidade que se quer bem humanamente, mas, sobretudo, daquela que se descobriu corpo e sacramento do Senhor, com a mesma intensidade que acredita no Cristo eucarístico. Tal como o poder das chaves entregue a Pedro, o poder da comunidade não é obra nem da carne nem do sangue, mas única e exclusivamente da graça do Pai.

É sob este ponto de vista que o Pe. Comblin uma vez pôde afirmar que as comunidades cristãs são a grande novidade do cristianismo ao mundo, pois elas carregam em si uma maneira nova de estabelecer as relações e solucionar os problemas. Por mais pobre que seja, a comunidade é sinal de Deus e lugar de conversão aos seus caminhos.

Jamais a comunidade tem esta força do que quando reunida para a solene liturgia. Muito mais do que outro sinal ou símbolo, a própria presença e o próprio corpo de cada irmão e irmã revelam a presença do Ressuscitado entre nós. A assembléia litúrgica torna-se, assim, o sacrário vivo que abriga o corpo de Cristo, que é a comunidade reunida em seu nome. É por essa razão que Santo Agostinho, no século IV, podia dizer aos membros de sua igreja: “através da comunhão recebemos aquilo que somos, o corpo de Cristo”.

E a eucaristia, de uma maneira especial, torna-se este vínculo da caridade e este sinal de comunhão fraterna: alimentamo-nos da mesa comum para permanecermos unidos entre nós. Entre outros sinais, o abraço da paz quer exprimir esta realidade profunda. Mais do que uma saudação entre amigos, é o sinal sensível de unidade que nos prepara para a participação na mesa e que oferecemos ao mundo para a reconciliação da humanidade.

 

16. Preces

Irmãos e irmãs, Jesus intercede agora por todo o seu povo junto do Pai. Vamos nos unir à sua prece, dizendo:

Escuta-nos, Senhor.

- Ó Cristo, renova as comunidades cristãs na força do teu Espírito, para que testemunhem no mundo a paz e a unidade.

- Ó Cristo, amigo dos pobres, reúne os que estão dispersos e sem orientação, sustenta os abandonados, nós te pedimos.

- Liberta, Senhor, os prisioneiros, restitui a luz aos cegos, acolhe os órfãos e as viúvas, ouve o clamor do teu povo que sofre.

Preces espontâneas... Quem preside conclui:

Atende, as nossas preces e guia-nos em teus caminhos, tu que és nosso irmão e nosso Salvador. Amém.

17. Coleta de bens

É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta (escolher  no livro de canto).

Terminada a coleta, todos/as se levantam, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar. Quem preside, aproximando-se do altar, faz uma breve inclinação e dá início à ação de graças.

AÇÃO DE GRAÇAS

18. Convite à ação de graças

Quem coordena, faz o convite:

O Senhor esteja com vocês.

Ele está no meio de nós!

Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

É nosso dever e nossa salvação!

19. Oração de ação de graças

Quem coordena continua, proclamando a oração que segue (ou cantando, cf. abaixo):

Nós te damos graças, ó Deus da vida,

porque neste dia santo de domingo

nos acolhes na comunhão do teu amor

e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus.

Nós te damos muitas graças, de rogamos, ó Senhor.

Esta comunidade aqui reunida

recorda a vitória de Jesus sobre a morte,

escutando a sua Palavra e dando graças,

na esperança de ver o novo céu e a nova terra,

onde não haverá mais fome, nem morte, nem dor,

e onde viveremos na plena comunhão do teu amor.

Nós te damos muitas graças, de rogamos, ó Senhor.

Com Jesus que, muitas vezes, reuniu-se com os seus

para comer e beber, revelando que o teu reino havia chegado,

nós também nos alegramos com ele nesta mesa.

Nós te damos muitas graças, de rogamos, ó Senhor.

Envia sobre nós o teu Espírito, 

apressa o tempo da vinda do teu reino,

e recebe o louvor de todo o universo

e de todas as pessoas que te buscam.

Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus,

por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:

Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

20. Abraço da paz

Saudemo-nos, uns aos outros, com o sinal da reconciliação e da paz!

21. Rito da comunhão

Quem preside tomando nas mãos o prato com as hóstias diz:

Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”.

Mostrando o pão consagrado:

Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo!

Senhor, eu não sou digno(a)...

Vá e mostre o erro do seu irmão, H 3, p. 256-7; Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz, H 3, p. 443; Se eu não tiver amor, ODC p. 253.

Quem preside faz a oração do respectivo domingo no Dia do Senhor (ou no missal) . Ou a que segue.

 

22. Oração final

Ó Pai,

tu nos reunistes hoje entre irmãos e irmãs

e abençoaste nosso encontro com o teu alimento.

Acolhendo hoje a sua visita,

não apenas aspiramos a uma convivência humana mais profunda,

mas te suplicamos, ó Pai,

o dom da unidade visível em nossas comunidades.

Nós te pedimos em nome do teu filho Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

RITOS FINAIS

23. Comunicações

24. Bênção

O Senhor nos abençoe e nos guarde. Amém.

O Senhor faça brilhar sobre nós a sua face e nos seja favorável. Amém.

O Senhor dirija para nós o seu rosto e nos dê a paz. Amém.

Abençoe-nos o Pai, e o Filho e o Espírito Santo. Amém.

A alegria do Senhor seja a nossa força. Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe.

Graças a Deus.

 

 

 

 

 

__________________

Apêndice

 

RITO DA ASPERSÃO DA ÁGUA

 

Junto à pia batismal, de pé, a pessoa que coordena convida a comunidade:

Irmãos e irmãs bendigamos ao Deus da vida por esta água e peçamos que ele renove em nossa vida a graça do santo batismo, para permanecermos fiéis ao Espírito que recebemos.

Todos rezam em silêncio. O(a) coordenador(a) faz a oração:

Deus de bondade e compaixão,

tu nos deste a irmã água, fonte de toda vida,

e quiseste que, por ela, recebêssemos

o batismo que nos consagra a ti.

Nós te bendizemos pela água benfazeja!

Renova, no mais profundo

de cada um (cada uma) de nós,

a fonte viva de tua graça,

para que, livres de todos os males,

possamos caminhar sempre em tuas estradas

e praticar aquilo que é agradável aos teus olhos.

Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Aspersão dos fiéis enquanto se canta (no tempo comum e Pentecostes)

Lavados na fonte viva, / do lado aberto de Cristo,

transpomos, vitoriosos, / as portas do paraíso! (bis)

Aleluia, aleluia! Aleluia, aleluia!        

Ao terminar a aspersão, quem preside conclui:

Que Deus, em sua misericórdia, nos liberte de todo o pecado, e nos conceda vida eterna. Amém.

Segue o ‘Senhor tem piedade de nós’ (podendo, neste caso, omitir o glória):

Senhor tem piedade de nós.

Senhor tem piedade de nós.

Cristo tem piedade de nós.

Cristo tem piedade de nós.

Senhor tem piedade de nós.

Senhor tem piedade de nós.           

 

Canto de ação de graças

( CD comep ação de graças no Dia do Senhor - faixa 18)

Este canto substitui a oração de ação de graças (cf. n. 18-19 acima:

C: O Senhor esteja com vocês.

T: Ele está no meio de nós!

C: Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

T: É nosso dever e nossa salvação! 

1. Para nós é um prazer

bendizer-te, ó Senhor,

celebrar o teu amor

por Jesus teu bem-querer!

2. Te louvamos, ó Senhor,

pelo céu e pelos mares,

Pela terra e pelos ares,

criação do eterno amor!

3. Te louvamos, ó Senhor,

pela nossa humana história,

que revela tua glória,

teu poder libertador. (bis)

4. Te louvamos, ó Senhor,

 por Jesus teu Filho amado

Entre nós ressuscitado

do Reino servidor.

Quando há partilha de alimentos em vez de comunhão:

Dando graças relembramos,

 de Jesus em tantas ceias,

e com ele em nossa mesa

nós também nos alegramos

 

5. Teu Espírito congregue

tudo quanto está disperso;

tua Igreja em vida e verso

o teu reino manifeste!

 

6. Finalmente a nossa boca,

inspirada por teu Filho,

e seguindo o seu ensino,

o teu santo nome invoca:

T: Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

 

DICAS PARA PREPARAR A HOMILIA

 

Seguindo o método da Leitura orante (ler, meditar, orar, contemplar), indicamos cinco passos para preparar a homilia:

1) Escolher um tempo durante a semana e um lugar onde seja possível o silencio... Antes de começar a leitura, invocar o Espírito Santo...

2) Ler os textos, começando pelo evangelho. Ler com atenção. Ler mais de uma vez. Prestar atenção nas personagens, sublinhar os verbos ou as palavras chaves. Se durante a leitura, se distrair, voltar pro começo. Ler também a primeira leitura, a segunda, o salmo.

3) Na leitura Deus se revela a nós em Jesus. Perguntamos o que Deus nos fala na Palavra: que boa notícia traz para a nossa vida e a vida de nossa comunidade? Que atitude pede de nós, que mudança de vida? A Palavra é espelho da nossa vida (autoconhecimento).

4) Silenciar por um momento diante do Pai, em oração. Agradecer pela luz que a sua palavra traz, ou pedir ajuda para compreendê-la melhor. Entrar no silêncio de Deus, Contemplar a sua presença manifestada em Jesus e na própria vida. Deixar que a Palavra lida e meditada ecoe no coração ao longo do dia e da semana. Abrir-se a novas atitudes, optar conscientemente por gestos concretos de amor, de doação suscitados pela Palavra.

5) Anotar os pontos que queremos desenvolver na homilia da comunidade e estar atentos/as ao que Espírito suscitar à medida que a Palavra vai crescendo dento do coração e na própria  conduta.

 Alguns cuidados que devemos ter ao preparar a homilia:

- Homilia não é palestra nem aula, é uma conversa; sua finalidade é “expor os mistérios da fé, que se referem à pessoa de Jesus” (cf. SC 51), partindo dos textos bíblicos e levando em conta a vida da comunidade.

- Homilia tem começo meio e fim. Nunca começar com algo que cause constrangimento e, ao terminar, buscar uma síntese, apontando para a boa notícia e exortando à conversão.  Evitar dar lição de moral.

- Falar pouco é regra preciosa, não mais de dez minutos, mas isso não significa empobrecer o conteúdo. É importante falar o essencial, usando uma linguagem acessível, coloquial.

- A homilia é parte integrante de toda a celebração, por isso nem começa e nem termina com sinal da cruz ou com “louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”...