Edições Anteriores
  • Edição 264

  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM

9 de julho de 2017

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos,indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.



1. Aprofundando os textos bíblicos: Zacarias 9,9-10; Salmo 145(144); Romanos 8,9.11-13; Mateus 11,25-30

Depois de insistir na falta de “conversão” (11,20.21), Jesus louva o Pai pelos simples que acolhem sua mensagem. Os “sábios e entendidos” não reconhecem Jesus, o Servo que faz triunfar o direito e a justiça (12,18-21; cf. Is 42,1-4). Os “simples” como as crianças (18,1-5; 19,13-15), atitude requerida dos discípulos, manifestam a alegria do encontro com Jesus, revelador da bondade do Pai. Jesus ensina a viver uma relação filial de confiança com Deus como “Pai” (termo repetido cinco vezes em 11,25-27), focada na misericórdia mais que no sacrifício (9,13; 12,7). O Pai confiou tudo ao Filho (28,18; Jo 3,35; 13,3), pois ninguém conhece o Pai senão o Filho (Jo 1,18; 10,15). Essa experiência de intimidade, conhecimento, amor recíproco, é proporcionada também a quem o Filho quiser revelar. O encontro com Jesus liberta de tudo o que impede a participação da vida plena em Deus: Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e vos darei descanso. O ensino do Mestre Jesus é um jugo suave e uma carga leve em comparação com o excesso de normas dos mestres de Israel (23,1-12). Centrado no essencial, propõe a radicalidade do amor a Deus e ao próximo, exigência da justiça maior (5,20). Jesus ajuda a viver de maneira mais digna e humana: Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração; e encontrareis repouso (cf. Ex 33,14; Jr 6,16). Na leitura do profeta Zacarias, o rei humilde montado sobre um animal de carga, não sobre um cavalo de guerra, é sinal de esperança de um reinado a serviço da paz, sem dominação e poderio militar. O salmo é um hino de louvor ao Senhor, misericordioso e compassivo, paciente e bondoso com todos. A leitura aos Romanos convida a viver segundo o Espírito de Deus que habita em nós pelo batismo e nos faz participar da vida nova em Cristo.


2. A palavra na vida

Seguindo os passos de Jesus, acolhemos o mistério de Deus em nosso coração em nossa história. Ele que escolhe os pequenos para manifestar a sua força nos dê

a alegria de ver a sua vitória em nosso mundo.


3. A palavra na celebração

Fazendo memória de Jesus, fracassado humanamente, mas vitorioso pelo poder de Deus, apresentemo-nos assumindo diante dele a nossa fraqueza, escutando a sua Palavra e recebendo da ceia, a força do pão da vida.