Edições Anteriores
  • Edição 264

  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

EUCARISTIA - SANTA CEIA - Parte 2 - 8º Encontro

LITURGIA E VIDA: caminho de espiritualidade, jovens e adultos

Este é o oitavo roteiro da série "Liturgia e Vida", voltada para a formação espiritual dos/as jovens. Os roteiros são preparados para encontros de quatro horas de duração e procuram trabalhar os elementos básicos da espiritualidade litúrgica. Um dos objetivos deste material é ajudar os/as jovens a descobrirem na liturgia uma fonte permanente de espiritualidade, no seguimento de Jesus.


Roteiro para os coordenadores

 

Material: folha dos participantes; pães pequenos (talvez pão “de leite”, doce e sem cobertura), um em cada prato, conforme o número de grupos que serão formados; mesinhas cobertas com toalhas.
Ambiente: onde os grupos vão se reunir, é colocada uma mesinha coberta com toalha e sobre ela o prato com pão, no centro das cadeiras.



1. Preparação do ambiente


2. Chegada e acolhimento


3. Ofício ou oração inicial
(30 ou 10 min)


4. Recordação da vida (10 min)


5. Retomada da atividade de casa (15 min)

[Ver na folha dos participantes, n. 1]

6. Formação de círculos (5 min). [Formar pequenos grupos, cada um com um membro da coordenação ou monitores preparados antecipadamente]

7. Roda de conversa sobre as experiências de refeição com a família e os amigos (15 min)
[Folha, n. 2. Trata-se de uma partilha sobre a vida pessoal, incluindo os sentimentos. Esse momento ajuda a enraizar o tema da Eucaristia na experiência vivencial. O coordenador (ou monitor) introduz a conversa dizendo que o objetivo é partilhar nossas experiências relacionadas à refeição e assim nos aproximar do sentido da Eucaristia. Será preciso “quebrar o gelo” da conversa e ajudar os mais tímidos a “abrirem o coração”. Depois dessa conversa, ainda nos grupos, será cantado o refrão abaixo, seguido de uma explicitação do sentido do refrão e também uma vivência do pão partido e comido na última ceia]

a) Refrão: “Comei, tomai” (5 min). [Talvez tenha que ser ensaiado]. [Folha, n. 3]

b) Conversa sobre o sentido do refrão (10 min). [Folha, n. 4. Despertar os participantes para o sentido do refrão com algumas perguntas]


c) Vivência (10 min)

 

i) O coordenador (ou monitor) convida os participantes a se levantarem e a fazer um momento de concentração (fazendo silêncio, tomando consciência da respiração e deixando de lado outras preocupações). Canta-se o refrão novamente.

 

ii) Depois o coordenador convida os participantes a se abraçarem mutuamente, de forma fraterna, experimentando e manifestando o amor de Jesus pelos seus apóstolos na última ceia.

 

iii) Depois desse momento de abraço, o coordenador toma o pão, convida os participantes a cantarem juntos o refrão, enquanto ele parte o pão e dá uma parte a cada um. d) No fim do canto do refrão, o pedacinho de pão é comido em silêncio]

iv) Partilha sobre a vivência feita (5 min). [O coordenador abre espaço para que os participantes falem do gesto feito e do sentimento que vivenciaram]

v) Intervalo (30 min)

vi) Refrão: “Comei, tomai” (1 min). [Folha, n. 3]

vii) Exposição: “O que aconteceu na última ceia” (10 min). [Folha, n. 5]


8. Leitura bíblica (10 min). [Folha, n. 6. Para esta atividade é preciso que os coordenadores se preparem lendo algum comentário bíblico ou lendo as notas de pé de página de uma boa versão da Bíblia. Seguir o roteiro seguinte: a) Explicar que a leitura foi tirada da Bíblia e colocada na folha porque é um texto abreviado. O objetivo é focalizar apenas algumas partes. b) Pedir, então, que um dos participantes leia pausadamente o texto. c) Depois da leitura, fazer uma pausa silenciosa para a ressonância do texto. d) Após esse tempo, pedir que outro participante faça novamente a leitura, sempre de forma pausada. e) Agora os participantes podem ser orientados a sair da sala (se houver espaço externo apropriado) para um tempo de leitura, meditação e oração. Individualmente podem ler o texto várias vezes e deixar que o Espírito Santo lhe fale ao coração; fazer, então, uma oração de agradecimento ou pedido]

9. Leitura, meditação e oração individual (15 min). [De acordo com a orientação acima]

10. Refrão: “Comam do pão” (5 min). [Folha, n. 7; talvez seja necessário ensaiar o refrão]

11. Partilha (10 min). [No plenário (ou em pequenos grupos, se os coordenadores acharem melhor) os participantes podem partilhar sua meditação e também a oração, se acharem bom]

12. Canto: “Eu quis” (5 min). [Folha, n. 8]. [O mesmo canto, agora cantado na íntegra. Talvez seja necessário um tempo maior para ensaio. Bom seria cantá-lo em dois coros]

13. Sentido do canto (5 min). [Pedir que os participantes escolham um pedacinho do canto e procurem interpretar o seu sentido]


14. Imagem. Projeção de imagem de Jesus na última ceia (5 min). [Na internet pode ser encontrada alguma imagem boa. Uma imagem que mostre Jesus e os discípulos sentados num estrado ou tapete pode ter mais relação com os costumes judaicos da época. Outras imagens (como a clássica de Leonardo Da Vinci), refletem os costumes da época em que foram produzidas (p. ex. mesa de banquete, cadeiras, salão requintado...) e podem ser indicados aos participantes. O uso de uma cena de um filme também pode ser válido, mas ocupa mais tempo].


15. Exposição: A nova Páscoa (15 min). [Folha, n. 9]

16. Vivência de gestos fraternos (5 min)

[Pode haver ou não um fundo musical adequado ou pode-se cantar baixinho a música “Comam do pão”. O coordenador orienta a sequência dos gestos:

 

a) Motiva os participantes dizendo que juntos irão expressar (com o corpo, a mente e o sentimento) o amor de Cristo que une os participantes da Eucaristia.

b) Convida-os a se levantarem (em silêncio) e a formarem um círculo.

c) Propõe que respirem conscientemente.

d) Depois de algum tempo, pede que se deem as mãos e fiquem assim durante algum tempo.

e) Dando novamente o tempo necessário, pede que os participantes desloquem suavemente as mãos para os ombros dos que estão ao lado, como sinal de apoio.

f) Outra vez dar uma pausa; em seguida orientar para que se aproximem mais uns dos outros e se abracem. g) O gesto simbólico é finalizado pelo canto do refrão, com os participantes ainda abraçados, se possível].

17. Conversa sobre a vivência do gesto fraterno (5 min). [Folha n. 10]

18. Tarefa para casa (5 min). [Folha, n. 11. Dividir os participantes em grupos, procurando levar em consideração a facilidade das pessoas se reunirem, seja pelo dia disponível, seja pela proximidade de moradia].

19. Oração final ou ofício (1 ou 30 min). [Se for oração final sugerimos que neste encontro seja rezado o Pai nosso].

20. Confraternização

 

EUCARISTIA – SANTA CEIA – SEGUNDA PARTE

Folha dos participantes

 

1. Leituras sobre a Eucaristia e participação na Missa
a) Fizemos algumas das leituras sugeridas?
b) Podemos partilhar nossas impressões a respeito das leituras feitas.
c) E sobre a participação na liturgia: vamos recordar os tipos de participação?
d) Como tem sido nossa participação nas Missas e Celebrações da Palavra, considerando esses tipos de participação?


2. Nossas experiências de refeição
a) Dizem que a comida só fica boa se for feita com amor. O que vocês acham?
b) O alimento é necessário para todo ser vivo. E para o ser humano também?
c) Com quem já comemos junto? Podemos falar o que sentimos.


3. Refrão “Comei, tomai”. Comei, tomai é meu corpo e meu sangue que dou. Vivei no amor!
Eu vou preparar a ceia na casa do Pai.


4. Sentido do refrão
a) Quem está falando no refrão?
b) Em que ocasião foi dita uma frase semelhante?
c) Para quem está sendo dita esta frase?
d) “Vivei no amor”. Como é mesmo o mandamento?
e) Quem já ouviu falar da “ceia na casa do Pai”? O que significa?

5. O que aconteceu na última ceia. Retomamos aqui alguns trechos lidos no Catecismo (n. 611 e 1337)
a) A noite da última ceia de Jesus com os apóstolos foi a “noite em que foi entregue” (1Cor 11,23). O que significa isto?
b) A última ceia aconteceu na véspera da Paixão de Jesus, quando ainda estava em liberdade. Jesus fez dela o memorial de sua oferta voluntária ao Pai pela salvação da humanidade.
O que significa mesmo “memorial”?
c) A Eucaristia foi instituída nesse momento e tornou-se o “memorial” de seu sacrifício. Em toda Missa ouvimos as palavras de Jesus: “Fazei isto em memória de mim” (1 Cor 11,25). Assim Jesus inclui os apóstolos na oferta de si mesmo e lhes pede que a façam para sempre. E isso tem acontecido?
d) A importância desse momento podemos perceber na afirmação do evangelho: “Antes da festa da páscoa, Jesus sabia que tinha chegado a sua hora. A hora de passar deste mundo para o Pai. Ele, que tinha amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1).
e) A respeito desse trecho: Que festa era essa? Quem são “os seus”? Nós estamos incluídos aí? O que significa “amou-os até o fim”?
f) O mesmo trecho do evangelho nos diz que nessa refeição o Senhor lavou os pés dos seus apóstolos e lhes deu o mandamento do amor (cf. Jo 13,1-17). Estamos lembrando da celebração da quinta-feira santa à noite? O que tem a ver lavar os pés dos outros e o mandamento de Cristo? E com a Eucaristia tem alguma coisa a ver?
g) O Senhor deixou uma garantia do seu amor por nós: instituiu a Eucaristia como memória de sua morte e ressurreição e ordenou que fosse celebrada até a sua volta (cf. 1Cor 11,26). O Senhor assim nunca se afasta de nós e nos faz participantes da sua Páscoa, a nova Páscoa, sua morte e ressurreição.

6. Relato da Última Ceia: (Lc 22,7-20)
Veio o dia dos ázimos, quando devia ser imolada a páscoa.
Jesus enviou então Pedro e João, dizendo: “Ide preparar-nos a Páscoa para comermos”... Eles foram (...) e prepararam a Páscoa.
Quando chegou a hora, ele se pôs à mesa com seus apóstolos e disse-lhes:
“Desejei ardentemente comer esta páscoa convosco antes de sofrer;
pois eu vos digo que já não a comerei até que ela se cumpra no Reino de Deus”...
E tomou um pão, deu graças, partiu-o e distribuiu-o a eles dizendo:
“Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória”.
E depois de comer, fez o mesmo com o cálice dizendo:
“Este cálice é a nova aliança em meu sangue, que é derramado em favor de vós”.

7. Refrão: “Comam do pão” (5 min)
Comam do pão, bebam do cálice, quem a mim vem não terá fome.
Comam do pão, bebam do cálice,
quem em mim crê não terá sede.

8. Canto “Eu quis”

- Eu quis comer esta ceia agora,/ pois vou morrer já chegou minha hora.

Comei, tomai é meu corpo e meu sangue que dou vivei no amor!Eu vou preparar a ceia na casa do Pai. (bis)

- Comei o pão; é meu corpo imolado/ por vós, perdão para todo pecado.
- E vai nascer do meu sangue a esperança, o amor, a paz; uma nova aliança.
- Eu vou partir; deixo o meu testamento./ Vivei no amor! Eis o meu mandamento.
- Irei ao Pai; sinto a vossa tristeza;/ porém, no céu, vos preparo outra mesa.
- De Deus virá o Espírito Santo,/ que vou mandar p´ra enxugar vosso pranto.