Edições Anteriores
  • Edição 264

  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

ENCONTRO COM CRISTO E TRÍDUO PASCAL - 2º Encontro

LITURGIA E VIDA: caminho de espiritualidade, jovens e adultos

Este é o segundo roteiro da série "Liturgia e Vida", voltada para a formação espiritual dos/as jovens. Os roteiros são preparados para encontros de quatro horas de duração e procuram trabalhar os elementos básicos da espiritualidade litúrgica. Um dos objetivos deste material é ajudar os/as jovens a descobrirem na liturgia uma fonte permanente de espiritualidade, no seguimento de Jesus.


Roteiro para os coordenadores
Material:
- Livro ou Folha com oração inicial e final (preparada pelo coordenadores)
- Folha com os textos a serem usados durante o encontro (cf. abaixo)
- Folha com os textos de leitura para casa (cf. n. 22 do roteiro)
- Bíblia (que os participantes devem trazer).

 

1. Arrumação do ambiente


2. Chegada e acolhimento


3. Oração inicial (20 min)


4. Recordação da vida (10 min)


5. Retomada das atividades de casa (15 min): Lembrança do primeiro encontro, leituras do Catecismo, fotos, data do batismo...


6. Canto (5 min) “Há um barco”. [Folha, n. 1]


7. Preparação para roda de leitura bíblica (10 min): “Como Jesus entrou na vida dos primeiros discípulos e discípulas”: a) Indicação do tema. b) Formação de rodas e distribuição dos textos bíblicos, um para cada grupo; textos dos evangelhos que tratam do seguimento inicial. c) Preparação para a leitura orante da Bíblia. d) Leitura individual, procurando perceber os detalhes da narrativa. e) Leitura em conjunto e partilha dos detalhes do texto observados na leitura individual. f) Escolha de um ou dois participantes para contar, aos outros participantes, no plenário. [Folha, n. 2] 

 
8. Roda de leitura bíblica (20 min)


9. Intervalo (20 min)


10. Canto (5 min) “Me chamaste para caminhar” ou “Foi Deus que me criou”. [Folha, n. 3]


11. Plenário (20 min): Apresentações e conclusões. Seguindo a ordem preferida pela pessoa responsável pelo tema, as passagens vão sendo apresentadas pelos representantes das rodas de leitura. No final de cada apresentação, os participantes da roda podem ser estimulados a tirarem conclusões a respeito da passagem. Depois, pode-se abrir espaço também para os outros participantes tirarem conclusões.

12. Considerações finais (5 min).

13. Canto (5 min) “Me chamaste para caminhar” ou “Foi Deus que me criou”.

14. Filme  “Jesus de Nazaré, de Franco Zefirelli”. [Folha, n. 4]

15. Intervalo (20 min).

16. Conversa sobre o que nos chamou atenção no filme (10 min).

17. Explanação (20 min): Nossa participação na morte e ressurreição de Cristo. [Folha, n. 5]

18. Canto (5 min) “Lembra-te, de Jesus Cristo”. [Folha, n. 6]

19. Conversa (10 min): A programação do tríduo pascal nas comunidades e sobre a intenção de participação dos participantes do encontro.

 

20. Explanação (10 min): Nossa participação no tríduo pascal. [Folha, n. 7]

21. Canto (5 min) “Um certo Galileu”. [Folha, n. 8]

22. Atividades para casa: [Folha, n. 9]
a) Visita à igreja onde fomos batizados e oração junto à fonte batismal ou junto ao altar.
b) Data do próximo encontro...
c) Leituras do Catecismo da Igreja Católica... (cf. abaixo)

23. Oração e bênção final

24. Encerramento
 

 

Encontro com cristo e tríduo pascal
textos para os participantes

 

 

1. Canto, Há um barco esquecido na praia, Pe. Zezinho, Taubaté, SP.

- Há um barco esquecido na praia:
já não leva ninguém a pescar.
É o barco de André e de Pedro
que partiram pra não mais voltar.
Quantas vezes partiram seguros,
enfrentando os perigos do mar.
Era chuva, era noite, era escuro,
mas os dois precisavam pescar.

- De repente aparece Jesus,
pouco a pouco se acende uma luz.
É preciso pescar diferente
que o povo já sente que o tempo chegou.
E partiram sem mesmo pensar
nos perigos de profetizar.
Há um barco esquecido na praia,
um barco esquecido na praia,
um barco esquecido na praia.

- Há um barco esquecido na praia
já não leva ninguém a pescar
É o barco de João e Tiago
que partiram pra não mais voltar
Quantas vezes em tempos sombrios
enfrentando os perigos do mar
Barco e rede voltavam vazios
mas os dois precisavam pescar

- Quantos barcos deixados na praia
entre eles o meu deve estar
Era o barco dos sonhos que eu tinha
mas eu nunca deixei de sonhar
Quanta vez enfrentei o perigo
no meu barco de sonho a singrar
Jesus Cristo remava comigo
eu no leme, Jesus a remar

- De repente me envolve uma luz
e eu entrego o meu leme a Jesus
É preciso pescar diferente
que o povo já sente que o tempo chegou
E partimos pra onde ele quis
tenho cruzes mas vivo feliz
Há um barco esquecido na praia
um barco esquecido na praia
um barco esquecido na praia

2. Como Jesus entrou na vida dos primeiros discípulos e discípulas.
2.1. Textos bíblicos (para cada grupo): Chamado dos primeiros discípulos: Marcos 1,16-20; Mateus 4,18-22; Lucas 5,1-11; João 35-51
2.2. Leitura individual, procurando perceber os detalhes da narrativa.
2.3. Leitura em conjunto e partilha dos detalhes do texto observados na leitura individual.
2.4. Escolha de um ou dois participantes para contar o texto, aos outros participantes, no plenário.  

 

3. Canto, Me chamaste para caminhar.
- Me chamaste para caminhar na vida contigo,
decidi para sempre seguir-te, não voltar atrás.
Me puseste uma brasa no peito e uma flecha na alma,
é difícil agora viver sem lembrar-me de ti.

Te amarei Senhor, Te amarei Senhor,
eu só encontro a paz e a alegria bem perto de ti.

- Eu pensei muitas vezes calar e não dar nem resposta,
eu pensei na fuga esconder-me, ir longe de ti,
mas tua força venceu e ao final eu fiquei seduzido,
é difícil agora viver sem saudades de ti

- Ó Jesus não me deixe jamais caminhar solitário
pois conheces a minha fraqueza e o meu coração,
vem ensina-me a viver esta vida na tua presença
no amor dos irmãos na alegria na paz na união.

4. Filme ‘Jesus de Nazaré, de Franco Zeffirelli.
Neste filme, Franco Zeffirelli (feiro originalmente em 1977) retrata com precisão histórica a vida de Jesus de Nazaré: nascimento, vida pública, sua morte e ressurreição. Foi lançada no Brasil uma versão em DVD com 5 horas, mas o filme original possui 6 horas e 22 minutos.
http://www.youtube.com/watch?v=Ibh4FgnM_eU&feature=related

5. Nossa participação na morte e ressurreição de Cristo.
- Sobre a morte e ressurreição de Cristo, o que vimos no filme?
- Como já vimos, a Igreja nos ensina a chamar de mistério pascal a morte e a ressurreição de Cristo. Alguma coisa o filme deixou de falar sobre o mistério pascal?
- Para nós, esse é um acontecimento importante? Por quê?
- Já conversamos sobre o mistério da nossa participação na morte e ressurreição de Cristo. Foi quando tratamos da nossa iniciação cristã. Lembram?
- Quem pode nos ajudar a lembrar o que realiza em nós o batismo, a crisma e a eucaristia? [Todos podem colaborar].
- Um texto bíblico que nos ajuda é Romanos 6,3-11. Alguém pode ler para os demais.
- Vamos, agora, reler cada frase e procurar entendê-la bem:
- antes de tudo, convém lembrar que quando o apóstolo Paulo fala de batismo, na verdade ele está se referindo ao batismo e a confirmação, que eram celebrados juntos; vejamos:
- versículo 3: “batizados em Jesus Cristo”: “batizados” significa também mergulhados, inseridos em Cristo;
- v. 3: “batizados em sua morte”: mergulhados, inseridos na morte de Jesus Cristo;
- v. 4: “sepultados” com Cristo na morte: enxertados na morte de Jesus para dele receber vida;
- v. 4: “Cristo foi ressuscitado dos mortos por meio da gloria do Pai”; o batismo nos ressuscitou com ele para que “possamos caminhar numa vida nova”;
- “vida nova” para o apóstolo Paulo significa viver guiado pelo Espírito Santo;
- v. 5: estamos unidos a Cristo;
- v. 6 e 7: “o nosso homem velho foi crucificado com Cristo”: estamos livres dos pecados passados e livres para viver fora do pecado;
- v. 8 e 9: viver unidos a Cristo nesta vida e na vida futura;
- v. 10: Cristo “vive para Deus”;
- v. 11: nós estamos “mortos para o pecado e vivos para Deus, em Jesus Cristo”.
- Participamos da morte e ressurreição de Cristo na vida cotidiana e na liturgia.

6. Canto Lembra-te (2Timóteo 2,8-13), versão: Frei Joel Postma, Santos Dumont, MG.   
 

  Lembra-te de Jesus Cristo
   Ressuscitado dentre os mortos,   
   Ele é nossa salvação,
   Nossa paz, nossa vida.
   Cristo Jesus, Cristo Senhor!

- Se morrermos com ele, com ele viveremos,   
Se sofrermos com ele, com ele reinaremos!

- Se nós o negarmos, também nos negará
Se formos infiéis, ele permanece fiel!

- Porque ele cumpre tudo o que promete.
Este é o ensino seguro e verdadeiro.

 

7. Nossa participação no tríduo pascal
- As igrejas pentecostais não seguem o ano litúrgico e suas festas, que desde o século dois a tradição vem nos transmitindo. As vezes há ate mesmo uma certa incompreensão e falta de respeito.
- A cada ano, nossa Igreja – assim como as igrejas mais antigas da Reforma - celebra a páscoa de nosso Senhor com muita “alegria espiritual”.
- O domingo de ramos faz memoria da entrada de Cristo em Jerusalém, a cidade cheia de significado para a fe judaica e crista. O Cristo sabia que lá havia um complô para prende-lo e mata-lo.
- Carregamos pelas ruas de nossos bairros bonitos ramos de palmeira, como os pobres em Jerusalém, e cantamos, manifestando nossa adesão a Cristo: “Hosana ao filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!”. Hosana em hebraico, quer dizer “salva-nos, ó Deus”.
- A semana santa, até quinta-feira, é uma semana comum de trabalho e estudo. Bom seria se pudéssemos fazer os ofícios apropriados para estes dias com suas leituras, salmos, hinos e preces. Poderia ser nas casas ou na igreja.
- A noitinha de quinta-feira, a comunidade se reúne para fazer a memória da santa ceia do Senhor. Lembramos também a vocação de serviço aos outros que nos foi deixado pelo Senhor quando lavou os pés dos discípulos. A missa desse dia não tem um encerramento; a eucaristia e levada para uma capela, para que o mistério dessa noite possa ser contemplado, e as pessoas se retiram em silencio.
- A sexta-feira santa e chamada também sexta-feira da paixão. Algumas comunidades estão descobrindo os ofícios próprios para as horas principais: amanhecer, nove e doze horas. Embora a tradição celebre a paixão do Senhor as quinze horas, ela pode ser realizada mais tarde para corresponder ao costume popular de vir a igreja antes do anoitecer.
- No sábado santo, ao menos em nossas casas ou corações, deve ser dia de silencio e espera. Também há ofícios próprios. À noite, finalmente, nos reunimos para “uma vigília em honra do Senhor” (Ex 12,42), a vigília pascal, quando, com toda a Igreja, renovamos as promessas do nosso batismo e celebramos o domingo da ressurreição do Senhor.

8. Canto: Um certo Galileu, Pe. Zezinho, Taubaté, SP

- Um certo dia, a beira mar
apareceu um jovem Galileu
Ninguém podia imaginar
que alguém pudesse amar do jeito que ele amava
Seu jeito simples de conversar
tocava o coração de quem o escutava.

E seu nome era Jesus de Nazaré
sua fama se espalhou e todos vinham ver
o fenômeno do jovem pregador
que tinha tanto amor


- Naquelas praias, naquele mar
naquele rio, em casa de Zaqueu
Naquela estrada, naquele sol
e o povo a escutar histórias tão bonitas
Seu jeito amigo de se expressar
enchia o coração de paz tão infinita.

- Naquelas ruas, naquele chão
naquele poço e em casa de Simão
Naquela relva, no entardecer
o mundo viu nascer a paz de uma esperança
Seu jeito puro de perdoar
fazia o coração voltar a ser criança

 

- Um certo dia, ao tribunal
alguém levou o jovem Galileu
Ninguém sabia qual foi o mal
e o crime que ele fez; quais foram seus pecados
Seu jeito honesto de denunciar
mexeu na posição de alguns privilegiados

 

E mataram a Jesus de Nazaré
E no meio de ladrões puseram sua cruz
Mas o mundo ainda não ama este Jesus
Que tinha tanto amor

 

- Vitorioso, ressuscitou
e após três dias a vida Ele voltou
Ressuscitado, não morre mais,
e está junto do Pai pois Ele é o filho eterno
Mas Ele vive em cada lar
e onde se encontrar um coração fraterno

Proclamamos que Jesus de Nazaré
Glorioso e triunfante Deus conosco está
Ele é o Cristo é a razão da nossa fé
e um dia voltará

 

9. Atividades para casa:

a) Visita à igreja onde fomos batizados e oração junto à fonte batismal ou junto ao altar.
b) Data do próximo encontro...
c) d) Leitura, em casa, dos trechos do Catecismo da Igreja Católica.

 

O livro de apoio é o Ofício Divino das Comunidades, Editora Paulus.

Um bonito elenco encontra-se na Liturgia das Horas, de acordo com o tempo litúrgico.